25 de março, 2024 09h03m Política por Redação Integrada Rádio Cidade de Ibirubá e Jornal O Alto Jacuí

Requerimento para abertura de CPI na Câmara de Vereadores de Ibirubá esquenta o clima em ano eleitoral

Debates nas sessões em ano eleitoral expõem falta de harmonia e problemas de relacionamento entre vereadores

A Câmara Municipal de Ibirubá se vê imersa em um turbilhão político enquanto enfrenta uma série de desafios administrativos. Desde que a vereadora Patrícia Sandri (União Brasil) assumiu a presidência da casa legislativa, controvérsias têm sido frequentes, uma delas o fim das transmissões ao vivo das sessões da casa legislativa pelas redes sociais. A polêmica da semana é uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar gastos relacionados a um curso técnico da Uvergs que teve um boleto enviado para a Câmara cobrando a inscrição de Dileta Pavão das Chagas e mais dois assessores enquanto ainda era secretária de Indústria Comércio e Empreendimentos. Se aprovada será  a primeira vez que uma CPI se instala na Câmara.

O pedido da CPI entra no centro das atenções e da tensão política em um período pré eleitoral. O requerimento foi apresentado pela vereadora Patrícia Sandri (União Brasil) e assinado pelos vereadores Maria Ilani Henkes Lamb, do MDB, Zalo Bueno da Silva e  Gesmari Jandrey, do Progressistas, partido de Dileta Pavão das Chagas. O requerimento, fundamentado no regimento interno da Câmara, busca apurar supostas irregularidades na participação da agora vereadora no referido evento, por conta do boleto da inscrição de Dileta e dos assessores Michael Pedrotti, coordenador da Secretaria de Indústria Comércio e Empreendimentos e um outro participante, que segundo Dileta é seu assessor pessoal. 
A solicitação da CPI vem em meio a uma série de dificuldades enfrentadas pela gestão da vereadora Patrícia Sandri. Mudanças na legislação de licitações têm gerado complicações na contratação de serviços e fornecimento de produtos essenciais, como água, café e materiais de limpeza. Além disso, o cancelamento das transmissões ao vivo das sessões da câmara tem sido alvo de críticas da população, em especial quem não consegue ir presencialmente acompanhar o trabalho legislativo e utilizava as lives na internet para buscar informações. Em paralelo surge o questionamento sobre valor gasto em diárias, passagem e hospedagem dos vereadores à Brasília, antes mesmo do retorno do recesso parlamentar, em viagens dias 02 de fevereiro e 15 de fevereiro. Até o dia 16 de março, a Câmara empenhou R$ 53.559,81 em diárias. Diante desse cenário, surge a questão: será que a CPI sobre os gastos com as incrições em curso técnico, no valor de R$ 850,00 cada, é realmente uma resposta adequada aos desafios enfrentados pela Câmara Municipal de Ibirubá? Há quem veja nesse pedido uma estratégia para desviar o foco das controvérsias e dificuldades administrativas, criando uma cortina de fumaça em ano eleitoral. Enquanto isso, as preocupações da população com a transparência, a eficiência e a responsabilidade na gestão dos recursos públicos permanecem em segundo plano.
O embate político em torno da requerida e ainda não aprovada CPI reflete as disputas de poder e as divergências de opiniões que marcam o cenário político local. Enquanto os vereadores se engalfinham em meio a acusações e contrapontos, a população aguarda por respostas concretas e soluções efetivas para os problemas enfrentados pela Câmara Municipal. Em ano eleitoral, o desafio é garantir que as prioridades da comunidade não se percam em meio às disputas políticas, e que a busca por transparência e responsabilidade na gestão pública prevaleça sobre interesses partidários. 
O pedido, segundo o regimento interno da Câmara, exige aprovação de 2/3 da casa. Conforme nossa apuração, o curso da Uvergs  para novas mesas de diretoras, no qual a vereadora Dileta Pavão das Chagas se inscreveu quando ainda era secretária, também era direcionado a prefeitos, secretários e coordenadores dos poderes executivos, como consta em um folder de divulgação. No entanto, a formação oferecida não condizia com a posição ocupada pela vereadora, já que estava saindo da secretaria e retornando a sua posição como vereadora eleita, mas sem tarefa na mesa diretora, o que levanta  dúvidas sobre a legitimidade dos gastos.
Aliás, é preciso analisar que em se tratando de participação em cursos e viagens, mesmo em período de recesso, a Câmara de Vereadores sob a presidência da vereadora Patrícia Sandri também abusou dos recursos públicos. Se por um lado afirma que não transmitir a sessão é para economizar recursos, antes mesmo do retorno das sessões ordinárias no mês de março, a Câmara já havia gasto quase R$ 40 mil em diárias, inclusive participando de cursos , eventos e viagens. A reportagem tentou contato na terça-feira, via WhatsApp, com a presidente Patricia Sandri, porém não obteve resposta. A assessoria  da casa confirmou para quinta-feira (21) a entrevista com a presidente, entretanto no início da manhã a agenda foi cancelada a pedido de Patricia, justificando não estar bem de saúde.
Contraponto da Vereadora Dileta
Dileta Pavão das Chagas nega as acusações, afirmando não ter pago pelo curso e criticando os vereadores que assinaram o pedido de CPI. Ela ressalta que as diárias para participação no evento foram autorizadas pelo Prefeito Municipal e que o curso era direcionado também para gestores públicos do poder executivo. Segundo ela o pedido é recheado de preconceitos e uma necessidade de atingir o seu trabalho, seja no executivo, seja no legislativo. Para ela é uma questão de perseguição política e falta de ações para apresentar para a comunidade. A vereadora disse que vai acionar todas as instâncias para processar inclusive civilmente todas as ofensas e calúnias que segundo ela está sendo vítima.
O pedido de abertura de CPI para investigar gastos em meio a controvérsias políticas em Ibirubá reflete um cenário de disputas e divergências entre os membros da câmara municipal. Cabe à população aguardar por esclarecimentos e medidas concretas para garantir a transparência e a responsabilidade na gestão dos recursos públicos, especialmente em um contexto eleitoral polarizado. 
 

Publicidade

Notícias relacionadas

Giovani Diesel deixa secretaria de saúde de Ibirubá para se preparar para pleito eleitoral de 2024

Entrevista concedida à Rádio Cidade 104.9 ele relata como foi a sua permanência junto a secretaria

15 de abril, 2024

Publicidade

Banca Virtual Edição Digital

Principais categorias