Vacinação justifica baixo número de casos de Covid-19 em Ibirubá

Aplicação da dose de reforço é essencial, explica o Dr. Etiane

Os casos de Covid-19 em Ibirubá estão em uma média de 11 casos ativos nas últimas semanas, não sendo registrado uma explosão de casos e sem internações nos últimos 15 dias. Segundo o Dr. Etiani, em entrevista à Rádio Cidade e ao Jornal O Alto Jacuí,  os casos notificados são de familiares próximos, não tanto com pessoas de outros círculos, como era identificado inicialmente. A vacinação e a diminuição da circulação do vírus são os fatores decisivos para esses bons números. No município há doses de vacinas disponíveis para jovens acima de 12 anos e também para quem ainda não se vacinou, além da terceira dose para idosos e profissionais da saúde. “É importante reforçar que os idosos façam a dose de reforço. A pessoa só estará imunizada e com o esquema completo quanto tiverem todas as doses, seja duas ou três doses”, afirmou. A flexibilização do uso de máscara, a retomada das atividades com mais intensidade irá depender do índice da população vacinada e da circulação do vírus. Para o Dr. Etiane, as crianças são os maiores exemplos de que as atividades podem retornar de uma forma segura. Isso porque, quando as aulas retornaram na Escola Sinodal, por exemplo, nenhum caso intraescolar foi registrado. “Retornamos às aulas no pior momento, e as crianças respeitaram o uso de máscara, o álcool em gel. Elas aprenderam e muitas vezes os pais tiveram mais dificuldade de aprender ainda”, destacou. Semanalmente a Secretaria de Saúde do município divulga um cronograma dos dias de vacinação, que podem ser feitos por agendamento. 

Focos de mosquito da dengue 

Um fator importante que a comunidade deve se preocupar, alertado pelo Dr. Etiani, são os cuidados com o mosquito Aedes Aegypti, causador da dengue, zika vírus e chikungunya. Segundo ele, os agentes de endemias passam nos bairros para alertar dos cuidados e verificar possíveis focos do mosquito. A época de um acumulado de chuvas em alguns dias e seca por outros, é a mais perigosa para o mosquito se desenvolver. 

Autor: Rádio Cidade Ibirubá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *