Inflação: mentiram para você para encobrir os verdadeiros culpados

Produtores e comerciantes ganham a culpa, enquanto o real culpado fica livre

Imagine a seguinte situação: em setembro de 1994 você comprou uma casa no valor de 200 mil reais. Em setembro deste ano, você resolve vender essa casa e consegue um comprador por 1 milhão e 200 mil.

Você acredita que fez um bom negócio? Com certeza! Afinal, um milhão em um único negócio não é para qualquer um. E se eu lhe dissesse que você perdeu dinheiro?! Eu explico melhor.

Isso se chama ilusão monetária. Você obviamente ganhou a mais do que gastou. Porém, o poder da inflação ao decorrer desses anos consumiu o poder de compra desse dinheiro.

Nesse período, nós tivemos uma grande desvalorização da nossa moeda. Para se ter uma ideia, imagine que você recebeu uma nota de R$100 em 1994. Para receber o equivalente a essa nota hoje, você deveria ganhar R$868! Surpreso?

Mas voltando a venda da casa. Vamos fazer o mesmo raciocínio: quanto aqueles 200 mil valeriam hoje? Pasmem: R$1.736.835,76. Ou seja, nessa venda da casa, você perdeu mais de 500 mil reais!

Isso ocorre por um reflexo da inflação: o aumento de preços. E é aqui que mentiram para você para encobrir o verdadeiro culpado. Esse aumento de preços é uma consequência. A inflação é algo diferente, é um problema monetário. Calma, é bem fácil de entender.

Você deve ter percebido a alta dos preços dos alimentos no mercado. E isso tudo tem a ver com a quantidade de dinheiro rodando na economia. O governo tem a sua disposição uma máquina de imprimir dinheiro. É isso mesmo!

O Banco Central, respeitando alguns critérios, pode criar dinheiro do nada para pagar a dívida federal, por exemplo. Ou ainda para pagar o auxílio emergencial do COVID, tudo com a justificativa de aumentar o consumo e acelerar a economia. Parece ótimo né? Mas existem consequências ao usar essa impressora mágica.

Ao injetar dinheiro na economia, termos o aumento do consumo. Ou seja, as pessoas gastam mais dinheiro. Com a maior procura por produtos e serviços, os preços sobem.

Outra consequência é a desvalorização do Real perante a outras moedas (Dólar, por exemplo). Não é à toa que o Real tem o pior desempenho entre os principais países emergentes neste ano. O dólar caro, por sua vez, contaminou os preços em reais dos alimentos. Como tudo é negociado em dólares, como o arroz, por exemplo.

Se isso não fosse o bastante, por causa do Real desvalorizado, as exportações estão batendo recorde. Ganha-se mais ao exportar do que manter o produto aqui dentro para o consumo. Mesmo com safras recorde, está havendo o desabastecimento no mercado interno.

Os donos de supermercado, que apenas compram dos produtores para revender aos consumidores, nada podem fazer quanto a isso. E normalmente são apontados como culpados.

Será questão de tempo para algum político aparecer com uma outra solução mágica populista: o tabelamento de preços. Aí só nos restará orar…

Autor: Rádio Cidade Ibirubá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *