Como manter os níveis de vitamina D durante o inverno?

A melhor maneira de prevenir a falta é a exposição solar

Com as baixas temperaturas dessa época do ano, é natural que a exposição ao sol seja menor, o que faz com que um dos problemas mais comuns do inverno seja a falta de vitamina D no organismo. E isso ocorre principalmente na região sul do Brasil, onde a incidência de raios solares é menor. Além disso, o uso de roupas mais fechadas também contribui para que as pessoas estejam menos expostas ao sol, comprometendo ainda mais a absorção de vitamina D.

É preciso estar atento aos níveis de vitamina D no corpo, pois ela é responsável por facilitar a absorção de cálcio pelo organismo. Especialistas destacam que os riscos bem estabelecidos da deficiência de vitamina D são os relacionados à saúde óssea, como, por exemplo, o aumento do risco de osteoporose. Crianças, assim como adultos, também possuem risco maior de deficiência de vitamina D no inverno. Como estão em formação óssea, podem apresentar além de fragilidade nos ossos, raquitismo com deformidade em decorrência da falta da vitamina. 

Sol é a resposta

Diferente de outras vitaminas, que podem ser ingeridas através da alimentação, a D está presente em poucos ingredientes. Salmão, vísceras de animais, como fígado e gema de ovo são alguns exemplos. Além disso, há a necessidade de consumo diário e em grande quantidade destes alimentos  para um aporte suficiente de vitamina D por meio da alimentação, tornando esta forma de suplementação insuficiente para a grande maioria dos indivíduos.

Portanto, a melhor maneira de prevenir a carência é a exposição solar. O ideal é de 10 a 20 minutos por dia, em horários em que ele é mais forte. É o suficiente para garantir produção adequada da vitamina. Entretanto, é necessário que áreas do corpo como braços e pernas estejam expostas sem a proteção de roupas, vidros ou protetores solares. 

Suplementação somente orientada por profissionais

Alguns indivíduos de maior risco para a deficiência, como idosos e pessoas que têm a cor da pele mais escura, por exemplo, necessitarão de suplementação de vitamina D mesmo com exposição ao sol. Na maioria dos casos a deficiência não apresenta sinais específicos e apenas o exame de sangue poderá esclarecer se há carência ou não. A  necessidade de suplementação de vitamina D deve ser individualizada e sempre acertada de forma aberta com seu médico. A suplementação sem orientação médica, especialmente através de medicamentos manipulados, está associada a riscos de intoxicações graves. 

Autor: Rádio Cidade Ibirubá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *