Coluna Taiza Ferraz

HISTÓRIA

Dos antigos Sete Povos das Missões localizados no Rio Grande do Sul, destacam-se as ruínas de São Miguel, um dos aldeamentos, chamados de redução, fundados por padres jesuítas, entre o final do século XVII e meados do século XVIII, para abrigar e catequizar os índios,o povoado de São Miguel Arcanjo, ou das Missões.Em 1632 os jesuítas Cristóbal de Mendoza Orellana e Paulo Benevides, fundaram Itaiacecó, na margem direita do Rio Ibicuí, aos pés da Serra de São Pedro,assim nasce SÃO MIGUEL ARCANJO. 

Muitas lendas e mistérios rodeiam as Ruínas de São Miguel, como a “Lenda Da Cobra Grande”. A Lenda da Cobra Grande surgiu com o término das Missões jesuíticas no Rio Grande do Sul. Atravessou o tempo na boca do povo dizendo que na guerra contra os invasores, os índios, comandados por um grande guerreiro Sepé Tiaraju, lutaram bravamente, mas acabaram sendo venci­dos. A maior parte deles foi dizimada ou feita prisioneira. Na Missão de São Miguel ficaram apenas os velhos, mulheres e crianças, que tão logo tivessem alguma serventia eram levados por estrangeiros como escravos. Por consequência, o mato foi crescendo e avançando, invadindo o templo. Com o mato veio a Cobra Grande, que subiu as escadas da igreja e se alojou lá em cima na torre da igreja. Quando sentia fome, enroscada nas cordas que pendiam do alto, atirava-se a badalar… E os gritos dos sinos entravam pelo ouvido dos viventes, para bater lá dentro, lá no fundo chicoteando os nervos como se uma tropilha inteira pisoteasse o pensa­mento machucando o coração. Até que uma noite, uma das indias, atentou para o mistério, era decerto a Cobra Grande com fome. E está índia que de tanto sofrer enlouquecera, pegou seu filho nos braços e lá subiu para a torre de onde o sino chamava. E então tudo se calou… por dois dias.

E entre lendas e contos, entre aqueles altas pilastras tem aqueles que contam ter avistado Sepé Tiaraju, (nascido em 1723) foi um guerreiro indígena brasileiro, considerado santo popular e declarado “herói guarani missioneiro rio-grandense” por lei. Chefe indígena dos Sete Povos das Missões, liderou uma rebelião contra o Tratado de Madri.

Até hoje mistérios e histórias rondam as Ruínas de São Miguel, moradores e visitantes afirmam ver a alma de Sepé Tiaraju na porta do grande templo, vestido de branco ou em seu cavalo a frente das tropas que por ali passam, cuidando daquela terra, que como Sepé dizia: “ESSA TERRA TEM DONO”.

O processo de decadência de São Miguel, ocorreu em função dos tratados que entre si vinham estabelecendo entre Portugal e Espanha: em 1750 o Tratado de Madri troca a Colônia de Sacramento (hoje Uruguai), pelo território dos Sete Povos das Missões, sendo os índios obrigados a abandonar suas terras. E assim finda a grande guerra.

Autor: Rádio Cidade Ibirubá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *