Coluna Gustavo Ribas – Sorte e Risco

Morgan Housel traz reflexões importantes sobre sorte e risco em seu livro Psicologia Financeira. Ele afirma que todo resultado na vida é guiado também por outras forças além do mero esforço individual.

Nada é tão bom, nem tão ruim quanto parece. Nós que temos a tendencia de elevar a percepção sobre as situações em que estamos pessoalmente envolvidos.

Sobre a sorte ele traz a história de Bill Gates, fundador da Microsoft (dona do Windows). Na época em que frequentava o colégio, Gates estudou em uma das únicas escolas de ensino médio do mundo que tinha computador.

A maioria dos cursos de pós-graduação em todo os Estados Unidos não possuía um computador tão avançado quanto aquele que Bill Gates teve acesso.

Apenas 1 em 1 milhão de alunos no ensino médio americano tiveram acesso a computador naquela época. Se ele não tivesse tido esse contato, provavelmente jamais desenvolveria a sua paixão por computadores e não seria o criador de uma das maiores empresas do mundo.

Kent Evans, melhor amigo de Gates, experimentou o risco, ou seja, o lado oposto da sorte. O menino que, segundo Bill Gates, era ainda mais inteligente que ele, morreu enquanto escalava com seu pai. A probabilidade de perder a vida no montanhismo durante o ensino médio é de 1 em milhão também.

Gates experimentou a sorte e Evans experimentou o risco. A mesma força, a mesma escala de grandeza, trabalhando em direções opostas.

Sorte e risco existem porque o mundo é complexo demais para permitir que 100% das suas ações são responsáveis 100% por seus resultados.

Isso deveria mudar a forma como avaliamos o sucesso das pessoas e o nosso. Nada é tão bom ou tão ruim quanto parece.

O fracasso do outro é atribuído a más decisões, enquanto que os nossos ao lado sombrio do risco. Ao erro do outro optamos por uma justificativa simples de causa e efeito. Aos nossos inventamos uma narrativa bem mais complexa, justificando decisões passadas e atribuindo resultados ruins ao risco.

A linha que separa o ousado do estúpido pode ter apenas alguns milímetros e geralmente só é vista em retrospectiva.

Por isso, cuidado com quem você elogia e admira. Cuidado com quem você menospreza e procura evitar se tornar. Não presuma que os seus resultados sejam apenas fruto do esforço e das suas decisões.

Bons investimentos e conte comigo

Autor: Rádio Cidade Ibirubá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *