Coluna Gustavo Ribas – Autocontrole: um dos segredos para investir

Nesse fim de semana tentei ensinar a minha filha mais velha, Mariana, de 05 anos, sobre o poder do autocontrole. Estávamos na casa da minha mãe (ou seja, da avó da Mariana) e como ela já descobriu, a casa da vovó sempre tem algum doce para as netas escondido. Era quase o horário de almoçar e ela descobriu onde estavam algumas bolachas que ela adora. Ofereci uma para ela, pois eu bem sei pelos meus estudos e experiência como a fome altera o nosso comportamento. De repente, ela queria comer tudo. E aqui começa a saga do pai, estudioso comportamental, tentando ensinar a filha sobre o poder das suas escolhas.

Para tentar ensiná-la sobre autocontrole, eu ofereci a ela uma troca intertemporal: ela poderia escolher comer mais uma bolacha naquele momento (gratificação imediata) ou parar de comer (autocontrole) e ganhar duas bolachas e um chocolate depois do almoço (futuro mais recompensador).

Lá estava eu tentando fazer a minha versão do teste do marshmallow. O teste do marshmallow é famoso e foi conduzido na década de 60 por pesquisadores da Universidade de Stanford para testar o autocontrole em crianças e como o desenvolvimento dessa habilidade influenciava o futuro delas. Basicamente o teste consistia em colocar 1 marshmallow na frente da criança e dizer a ela que ela tinha 2 opções: comer 1 marshmallow imediatamente ou comer 2 marshmallows depois de 15 minutos e dobrar sua recompensa.

Houve um acompanhamento dessas crianças por 30 anos e os estudos apontaram que as crianças que adiavam a recompensa (só comiam os doces depois dos 15 minutos) tinham mais chances de ter um futuro promissor na saúde, na escola e no trabalho.

Essa habilidade também é importante quando se trata das nossas finanças. Treinar o adiamento da gratificação imediata é essencial para investidores que querem ver a ação dos juros compostos e consequentemente o aumento do patrimônio.

Por fim: a Mariana preferiu a bolacha na hora. Falhei, mas não desisto. Ainda enraizado nessa criança a importância de esperar (vou dar um desconto pra ela porque estávamos na hora do almoço e a fome é uma das inimigas do autocontrole).

Uma nota final: outro estudo mais recente colocou em xeque o resultado do teste do marshmallow e apontou em outra direção: existe uma probabilidade maior de crianças de famílias com situação financeira confortável terem maior probabilidade de adiar gratificações imediatas do que crianças pobres. Supõe-se que isso se deve ao fato de que crianças pobres têm uma menor previsibilidade do amanhã, motivo pelo qual “preferem” garantir a gratificação no presente (ahh, nosso cérebro primitivo sempre tentando nos proteger).  Mas isso é tema para uma outra coluna…

Bons investimentos e conte comigo!

Autor: Rádio Cidade Ibirubá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *