Legislativo veta a emenda das áreas urbanas descontinuadas

Legislativo veta a emenda das áreas urbanas descontinuadas

10/01/2019 0 Por Cidade_FM104.9

Em uma sessão menos tumultuada, a Câmara de Vereadores na terça-feira, 8 de janeiro, votou a emenda ao Plano Diretor que tratava das áreas urbanas descontinuadas. Por 6 a 4 a emenda foi rejeitada pelo legislativo e causou indignação entre os membros presentes da COHAI. A sessão desta terça-feira, 8, foi a continuação da sessão suspensa da quinta, 3 de janeiro.

Acompanhe o relato da sessão suspensa

Com o plenário cheio, a população em geral, membros da COHAI e lideranças  acompanharam a primeira parte da sessão destinada a discutir e votar emendas ao Plano Diretor do município. Entre as emendas, a que tratava sobre as áreas urbanas descontinuadas, proposta pela bancada de oposição, era a mais aguardada da noite. A primeira parte da sessão foi destinada a defesa do projeto por parte da bancada da oposição que centrou seus argumentos em prol da aprovação das áreas urbanas descontinuadas para loteamentos populares. O vereador Silvestre Antonio Rebelato (TUTA – MDB), centrou sua explanação na possibilidade de outras famílias de baixa renda, além dos associados da COHAI, terem acesso a loteamentos e frações de terras mais em conta. Visto a valorização imobiliária que Ibirubá possuí e a impossibilidade de famílias de baixa renda terem acesso a lotes de terra.

Do lado oposto da mesa, a bancada da situação organizou uma estratégia de não responder provocações para evitar uma nova suspensão da sessão. Apesar de ter ocorrido discussões, uma delas entre o vereador Tuta (MDB) e Giovani Diesel (PP). O presidente da Câmara Dr. Dácio Moraes solicitou o término da discussão para que a sessão continuasse. Uma das explanações esperadas era a da vereadora Jaqueline Brignoni Winsch (PP) que na outra sessão não se pronunciou, em sua fala a vereadora explicou como ocorreu a revisão do Plano Diretor e qual o seu objetivo “fazer um planejamento dentro do município e orientar a partir de regramentos o crescimento urbano” além disso a vereadora embasou os seus argumentos citando a lei municipal que prevê a ocupação de áreas vazias urbanas antes de realizar a ampliação do perímetro urbano. Outro argumento abordado por Jaqueline foi o uso conflitante das terras, visto que se a emenda fosse aprovada, poderia impactar a atividade rural do município.

A votação da emenda ocorreu com duas horas de duração da sessão, os vereadores da oposição Leonardo Fior (PTB), Patrícia Sandri (DEM), Oneide Neuland (DEM) e Silvestre Antônio Rebelato (Tuta – MDB) votaram pela aprovação da emenda. Os vereadores André Oliveira Ferreira (Canja – PP), Vagner Oliveira (PRB), Giovani Moacir Diesel (PP), Henrique Antônio Hentges (PT), Marcelo Dellay (Solidariedade), Jaqueline Brignoni Winsch (PP) votaram contra a emenda. Nesse momento o público presente ficou decepcionado com a votação, principalmente os membros da cooperativa, houve algumas manifestações dos presentes e rapidamente o plenário esvaziou. A sessão continuou com votação de outras emendas já previstas, ao final da noite os vereadores e o presidente da Câmara de Vereadores fizeram suas avaliações.

Da Redação de Jornalismo da Rádio Cidade FM

Veja Também