Conecte-se Conosco
some text

Notícias Gerais

Dirson Willig fala sobre a relação de Ibirubá com o nazismo

Postado

em

O Jornal O Alto Jacuí realizou uma entrevista com Dirson Volmir Kläsener Willig, que nasceu em 1979 no interior de Quinze de Novembro, na Comunidade Esquina 7 de Setembro, hoje Dirson mora em Marau/RS e é Engenheiro Eletrônico. Mas, a relação com Ibirubá e a região permanece com os parentes que moram aqui, a mãe Isolda, o filho Christofer e a irmã Rejane além de inúmeros parentes moram na cidade de Ibirubá.”

Dirson é um estudioso e um pesquisador sobre as histórias que ligam a região ao Nazismo, além disso realizou um levantamento bibliográfico dessas histórias e das “lendas urbanas” que há décadas são passadas para as gerações. 

OAJ Como surgiu o interesse em pesquisar sobre Ibirubá e o Nazismo?

Desde pequeno sempre gostei muito de histórias, li muito sobre História do Brasil e fatos envolvendo o império. Fazia consultas literais na biblioteca da escola onde estudei. Sempre relacionando fatos e histórias que me intrigavam. 

Meu tio me contava histórias de tesouros enterrados, de luzes estranhas, velas acesas e fogueiras aparecendo e sumindo sem explicação. Esses episódios até mulheres sérias da família contaram que viram. São estórias e passagens envolvendo minha gente, parentes e moradores ao longo de um rio. 

OAJ Desde quando realiza essas pesquisas, quais fontes?

No ano de 2005 eu havia lido um artigo no jornal “O Alto Jacuí” sobre pedras que haviam se soltado de um antigo poço denominado “Poço Azul”, no interior de Ibirubá e resolvi elucidar aquilo que há muito tempo me inquietava. Parti para investigar e com a ajuda deste parente consegui obter informações sobre o poço (que ele em forma de enigma, dizia haver um enterro, contava: “Da ponte velha ao poço azul, uma vez e meia…”) e seu proprietário. Fui até lá, pedi licença e fui fazer algumas medições e buscar evidências. As buscas com as máquinas em nada resultaram e na frustração ouvindo a história do morador local que o poço não teria fundo, resolvi fazer um mergulho para ver, que resultou em seu mapeamento e rendeu um bom resfriado proporcionado pelas suas águas gélidas. 

Nessa época meu parente também me contava sobre a morte e o “misterioso desaparecimento do cachorro do Dr. Braun” e as estórias relacionadas, Isso me levou a também pesquisar o fato a partir então do fim de sua sesmaria em 1906. 

Todo o material verificado e buscado como base são a princípio relatos orais, ancorados por artigos de época em jornais e revista e em grande parte teses de mestrado ou doutorado escrito por alunos de diversas Universidades. 

OAJ Que histórias descobriu com as pesquisas?

Um outro tio relatou fatos e coisas a respeito dessa morte e que me pareciam muito coerentes. Então resolvemos direcionar a pesquisar sobre fatos e peculiaridades do nazismo em artigos acadêmicos que estavam à disposição, quando me deparei com a história de Panambi que em épocas pré-guerra possuía uma relativa influente cúpula “quinta coluna” do partido nazista, bem como diversas agremiações ligadas ao tema. Pesquisando histórias nazistas também em Santa Catarina e Paraná, pude ver que eram em tudo muito parecidos, inclusive com histórias de túneis para fugas e encontros sigilosos.

Primeiramente pesquisamos sobre a morte do Dr. Braun, juntando alguns relatos de pessoas mais antigas de Ibirubá chegamos a conclusão que ele tinha relações com essa “quinta coluna” de Panambi (Nessa época Panambi se chamava Pindorama). Buscando artigos em jornais e revistas nos deparamos com reportagens que afirmavam que nazistas haviam passado por Ibirubá. Moradores locais como Franz Hümmler (padre Chico), Dr. Orsini Guterrez, Anselmo Kempf entre outros, foram entrevistados nessa época porém pouco revelaram. 

O fato que levou a concluir a necessidade pessoal da morte do Dr. Braun se deu quando nos deparamos com o artigo sobre a captura (pelo MOSSAD) do procurado nazista Adolf Eichmann. O fato de 1961 repercutiu tanto na mídia brasileira e internacional que Braun não teve outra alternativa senão “sumir através da morte”. Até o momento não se comprova se Braun realmente tinha ciência de estar ou não na lista de Simon Wiesenthal, chefe do MOSSAD. Acreditamos que perante a dúvida era melhor agir. Wiesenthal começava a ter êxito em suas capturas, andar próximo a Argentina e Paraguai e a qualquer momento poderia bater à porta da frente.

Desde meados da década passada já havíamos ouvido falar dos túneis e agora com o alarde das fugas nazistas em massa para o Brasil e Paraguai via Argentina, nossos “amigos” teriam papel de importância vital nessa missão secreta sem despertar maior curiosidade nos cidadãos locais quando das visitas destes “parentes alemães distantes”.  Inicialmente cremos que os túneis foram pensados em suprir uma necessidade do período da repressão de Getúlio (1938), quando o partido foi condenado a extinção. A construção de pequenas galerias interligando casas entre membros do NSDAP era a forma mais segura de reestabelecer reuniões em segredo pois “acima da terra” agora eram observados pelos espiões do regime, (que muitas vezes eram os próprios alemães pagos pelo governo para dedurar suspeitos). E foi o que aconteceu!

Com o tempo passando, a pressão da guerra e da repressão aumentando, a fama de “seguro” do túnel foi crescendo entre os empoderados membros nazistas locais. Cada necessitado ou interessado teve então a chance de atracar ao túnel (com suas próprias custas), desde a sua casa até a galeria para se interligar nessa estrutura (recém descoberta) que atravessavam a parte central da cidade.

Quanto aos ”dedo duros”, vendo, lendo e procurando artigos em revistas, jornais e artigos acadêmicos me deparei com um do DEOPS OPA (Departamento de Ordem e Política Social – Porto Alegre) publicado na Revista Vida policial de 1944 fazendo referência e combate ao nazismo em Comunidades alemãs de Pindorama (Panambi) e  Ibirubá, bem como em outras edições, em todo o território do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná.

Há de se ressaltar que o nazismo hoje é um adjetivo condenatório e de cunho depreciativo, fato imposto pelo decreto de nacionalização imposto por Getúlio Vargas em 1938, mas em tempos passados (pelo menos desde 1920 a 1938) o adjetivo era apenas mais um dos desígnios para representar ideais políticos alemães da época. 

Como qualquer outro partido tem sua sigla e alcunha, o termo NAZI vem de NSDAP (National Sozialistische Deutsche Arbeiter Partei) e era livremente propagandeado com seus membros bastante conhecidos nas comunidades onde atuava. Havia diversos fundos internacionais provindo do NSDAP central da Alemanha que era especialmente destinado aos congregados Teuto-Brasileiros nas mais diversas agremiações que se ligaram a ele, dos quais em parte sobreviviam do auxílio. Havia de um todo também vários tipos de ajuda humanitária à alemães teutos (mesmo não filiados – Por não serem natos) expedidas desde a sede do partido, distribuídos em parte aos postos do partido em suas cidades bases, expedidas pelo Banco Alemão Transatlântico e em outra parte por acordos e visitas pessoais com seus métodos pouco comuns de transporte e entrega.

Mas agora o Nazismo era proibido e tudo quanto a ele referido nos 20 anos de “missão” estava sacramentado como ilegal. Não bastasse a imposição aos políticos, também aos alemães comuns, que na maioria das vezes nada tinha de haver com o NSDAP (nem sabiam que isso existia), as obrigações e restrições foram igualmente impostas e severamente punidas.

A restrição chegou a tal ponto que falar alemão, italiano e japonês agora era proibido, ler ou possuir livros nessas línguas era proibido (mesmo que fossem bíblias, livros de curas ou de receitas), tudo deveria ser entregue ao DOPS que se encarregava de destruir o “que não prestava”. Rádios, fotografias militares, bandeiras e material de escritório das sociedades da época, com escritas em alemão eram recolhidos e destinados ao descarte, enfim tudo o que os brasileiros do DOPS julgassem ferir a lei era juntado e levado. E o não cumprimento destas leis era passível de prisão. Reuniões entre grupos e entidades recreativas alemãs eram tão severamente torturadas pelas investigações ao ponto de seus membros chegarem a ocultar o seu material religioso e intelectual para não perder totalmente a cultura. E quando o DOPS encontrava os escondidos o problema se agravava.

OAJ Existe alguma documentação que comprove as informações?

Dentre os muitos artigos que ainda tenho guardado e que podemos citar  estão:

NSDAP-Ortsgruppe Porto Alegre, comemorações do 1º de Maio (1933-1937), participantes. Escrita por Imgart Grützmann da  Universidade Federal de Pelotas, Centro de Letras e Comunicação,Campus Porto. Pesquisa sobre a participação do NSDAP em comemorações na capital Porto Alegre.

Nazismo Tropical? O Partido Nazista no Brasil.  Universidade de São Paulo, faculdade de filosofia , letras e ciências humanas, escrito por  Ana Maria Dietrich, que aborda o sistema pelo qual o nazismo se perpetuou.

A INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA NA COLÔNIA ALEMÃ GENERAL OSÓRIO (1909 – 1979) – Universidade de Passo Fundo, Mestrado em História escrito por Dilce Maria Stürmer

A POLÍCIA GAÚCHA NA ERA VARGAS 1930-1945: DIRETRIZES CIENTÍFICAS E TECNOLÓGICAS –Pontifícia Universidade Católica do RGS – Programa de pós graduação em História, escrito por Allysson Arthur Roque dos Santos.

O “PERIGO ALEMÃO”: A COMUNIDADE TEUTA E A DOPS EM CURITIBA  por Solange de Lima   – Revista Vernáculo, n. 23 e 24, 2009  

O DISCURSO DA IMAGEM: REPRESENTAÇÕES E IMAGINÁRIO SOBRE O NAZISMO NA REVISTA VIDA POLICIAL (1942 – 1944)  Doutorando de História da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul escrito por Tiago Weizenmann.

A REVISTA VIDA POLICIAL (1925-1927) MISTÉRIOS E DRAMAS EM CONTOS E FOLHETINS – Programa de Pós-Graduação em História, Setor de Ciências Humanas, Letras e Artes da Universidade Federal do Paraná, defendido por ELENA CAMARGO SHIZUNO.

QUEM NASCE NO BRASIL, É BRASILEIRO OU TRAIDOR! AS COLÔNIAS GERMÂNICAS E A CAMPANHA DE NACIONALIZAÇÃO – Universidade di Vale do Rio dos Sinos- Centro de Ciências Humanas e Pós Graduação em História, escrito por ROSANE MARCIA NEUMANN

CORTANDO AS ASAS DO NAZISMO Pós-Graduação em História da Universidade do Vale do Rio dos Sinos, para obtenção de título de Mestre em História. escrito por Tiago Weizenmann. 

VIDA POLICIAL  Revista  n69 1944 – revista mensal que apresenta contos e fatos do Departamento de Ordem Político e Social  Brasileiro no RS, SC e Paraná.

OAJ  Quais outras histórias da região ainda não foram contadas?

Lendas urbanas existem em todo lugar, normalmente “quem conta um conto aumenta um ponto”  já diz o ditado. Para purificar, resta ouvir o máximo que puder, juntar e filtrar o que aos olhos de um bom entendedor soa plausível daquilo que parece fantasia. Ibirubá é uma cidade misteriosa desde antes mesmo de sua concepção como sesmaria ao Barão de São Jacob. 

Já nos tempos idos de 1759 o arroio Jacuí Mirim era motivo de peregrinação Jesuíta quando se deu a forçosa retirada decretada pelo Marquês de Pombal. O mistério do ouro enterrada nessas paragens faz qualquer um sonhar e prestar atenção em tudo que se fala ao pé do ouvido. Há relato de igreja jesuíta inteira enterrada no interior do município (já retirados os devidos indícios fantasiosos).

O próprio mistério do Poço Azul ao qual me dediquei em 2005 e que expeliu grande quantidade de pedras após um tempo de chuvas tem mistificado a mente dos Ibirubenses. Muitos no passado tem recordado as façanhas do que um olho d’água é e foi capaz de fazer. Matéria já foi feita em revista local sobre o fato e o considero o definitivamente solucionado.

O Potreiro do Gabe é outro “conto” que se precisa aparar arestas. Essa propriedade está envolta a mistérios insolutos e que promete grandes páginas jornalísticas. Nosso colega Clóvis Messerschmidt não tem medido esforços para adentrar essa vereda.

O próprio caso Dr. Braun, que de certa forma tem ligação com os túneis já foi motivo de reportagens externas e que até o momento só tem acrescentado dúvidas a cada desvelar ou incidente relacionado.

OAJ E quais são os laços de família entre eles?

Temos no imaginário popular a tendente ligação do Dr. Braun com a esposa de Hitler, a senhorita Eva Braun. Motivo pelo qual levantamos toda a árvore genealógica dos dois para comprovar (ou refutar) de vez por todas essa relação. Também do mesmo modo o Padre Chico (Franz Hümmler) que de batismo herdou o sobrenome e ao qual atribuem como parente próximo o chefe das SS. Heinrich Hümmler.

O caso do túmulo da família Krapf no cemitério evangélico se vê nitidamente um filho trajando uniforme militar das SS (Shutzstaffel) o qual veio ao Brasil com sua família em 1922 com 1 ano de idade (mérito de meu colega Eduardo de Andrade) onde, fora sepultado aqui em 1949 devidamente trajado a la SS (o que não é de se ignorar). Sabemos que sua mãe Elisabeth e a irmã mais velha Hildegard em certo tempo dirigiram o hospital Santa Helena, construindo quiçás logo após o pastor Albert Adam e as diaconisas terem abandonado os ofícios médico-religiosos.

OAJ O que você pensa sobre essa relação da região com o nazismo e a repercussão na mídia sobre os túneis ?

Não só Ibirubá mas sim todas as colônias germânicas do extremo sul do Brasil tinham sem sombra de dúvida, alguma relação com o nazismo. Cidades catarinenses como Marechal Cândido Rondon/PR e Blumenau/SC sempre foram alvo de investigações e vem trazendo bons frutos à luz do dia. 

Falando só de Rio grande do Sul, temos a famosa cidade de Cândido Godoi que acolheu nada mais nada menos que Josef Mengele, Ijuí onde o seu não menos famoso médico Dr. Ulrich Kuhlmann atuava como vice-cônsul, tramitando diretrizes desde a cúpula alemã de Berlin passando pelo consulado de Porto Alegre, através do cônsul Dr. Gottfried Wallbeck até nossa região e mesmo Santa Catarina.

Como exposto acima, o nazismo não era uma prática proibida no passado, era liberado nos anos antes de 1938 e consequentemente essas pessoas transitavam e propagandeavam livremente fazendo jus ao seu partido o NSDAP como qualquer outro. O que aliás chama atenção é o fato de que nunca concorreu a nenhuma eleição no Estado nem no País. A obscuridade e o total aparte para com essas disputas políticas locais quem sabe foi uma dos motivos que inspirou dúvida ao então governo ditador de Getúlio (que cá entre nós, pessoalmente era simpatizante das causas alemãs). Getúlio aguentou o quanto pode para se manter neutro mas os EUA determinaram a entrada do Brasil na guerra com nada mais que o naufragar (dando a devida culpa aos alemães) dos 5 navios mercantes brasileiros. Getúlio mordeu a isca e largou o colega conquistador alemão.

Levando em conta que boa parte da população alemã conservava sua cultura e língua e quase nada sabia falar em língua portuguesa, é de se imaginar o sofrimento imposto a essa gente quando que de uma hora à outra estava proibido a língua alemã, italiana e japonesa. A discrição precisava ser mantida pois ao menor deslize a casa era invadida, fosse por uma simples denúncia. O material literal fora sem piedade suprimido sem o mínimo direito à explicação. Nem todos tinham culpa das pretenções de Hitler mas com certeza pagariam o preço imposto por elas.

Dessa forma o vindouro proliferar nazista pela região conseguiu tanto êxito. O povo magoado com o sistema imposto não estava afim de colaborar e para se vingar, todas as diligências que se fizeram na cidade e região em busca de revelações se tornavam infrutíferas (salvo algumas apreensões banais) conseguindo assim ocultar grandes fatos, feitos e nomes do nazismo alemão. Depois dizem que alemão é teimoso…mentira!

Atualmente está mais do que na hora de se esclarecer alguns fatos, a mídia tem se esforçado para dirimir dúvidas e o povo carece de explicações. O que passará a acontecer se não forem dados os devidos esclarecimentos, é que pessoas então começem a falar e pensar de forma própria, e essas coisas somadas às dúvidas apenas distorcem ainda mais o que já está distorcido. Por esse motivo cremos que é preciso juntar forças para aniquilar de uma vez por todas esses “diz-que-disse” rotulantes do dia-a-dia daqueles que buscam esclarecer o que não está claro.

OAJ Você acha perigoso relacionar a região com o nazismo?

O fato é sério e merece cautela pois nomes locais importantes se misturam e mesmo com inúmeros registros e detalhes ainda há margem para dúvidas, e portanto, não é prudente sair por aí atirando a esmo. Pensemos bem e vamos com calma pois o respeito é sempre, serventia da casa.

Acredito que a “estas alturas do campeonato” muito pouco se tenha do que temer, ou que tenham a temer as famílias envolvidas. O nazismo por si só não foi um crime, se tornou um crime por decreto de lei. Nada além de Hitler poderia ter ideia do que estava por vir se este tivesse ganho a guerra, acreditamos que devido ao empenho do NSDAP no exterior, a proposta era de organizar localmente os governos para uma almejada vitória nazista, do qual então todo o tempo de treino e dedicação pudesse vir à tona e servir para o comando de cada módulo ou seção com um mínimo de atraso possível.

Em tempos de exploração espacial é imperdoável que ainda estejamos pagando royalties de guerra, mesmo que moralmente. O que devemos sim é buscar esclarecer os fatos e colocar a verdade acima de tudo sem querem buscar culpados pois na guerra nunca há um vencedor e sim dois derrotados.

Dirson Volmir Willig, Marau 09 Outubro de 2019

Na imagem destacada algumas imagens de materiais apreendidos na região

Clique para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Entrevistas

OAJ ENTREVISTA: Projeto do IFRS -Campus Ibirubá contempla pacientes asmáticos

Postado

em

O OAJ ENTREVISTA desta semana traz uma conversa com o professor do IFRS- Campus Ibirubá, Edimar Manica, ele é Doutor em Ciência da Computação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), coordenador de Desenvolvimento Institucional no IFRS – Campus Ibirubá. Ele coordena um projeto que visa ajudar os pacientes que sofrem de asma, em parceria com um empresa o projeto de pesquisa pode ajudar a monitorar e classificar a gravidade da doença. O IFRS fornece a infraestrutura para a execução do projeto (laboratórios de informática e internet), horas dos professores do curso de Ciência da Computação para atuar no projeto e bolsas de pesquisa para os estudantes. O projeto conta com uma bolsa disponibilizada pelo IFRS, uma bolsa fornecida pelo CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Ciêntífico e Tecnológico) e uma bolsa fornecida pela Clínica CIEMP.

Visita técnica Clínica do Pulmão Passo Fundo/RS



OAJ O que é o projeto de monitoramento de pacientes asmáticos?

O projeto denominado Desenvolvimento de um Sistema Especialista para Classifica- ção de Pacientes Asmáticos tem como objetivo criar um software Web que classifi- que os pacientes com relação a gravidade de sua asma e, a partir dessa classificação, forneça recomendações personalizadas para esses pacientes que os auxiliem na autogestão de sua doença. Informalmente, poderíamos dizer que estamos criando um site que irá fazer perguntas para os pacientes asmáticos e a partir das respostas obtidas serão fornecidas dicas de boas práticas que auxiliarão no controle de crises e, consequentemente, na melhora da qualidade de vida.

OAJ Em que fase está?

O projeto está no segundo ano de execução. Atualmente, estamos na fase de disponi- bilização da primeira versão do software para a Clínica CIEMP, que é parceira nesse projeto. O software aplica três questionários aos pacientes e a partir das respostas classifica os pacientes quanto a gravidade da asma. Os três questionários e a perio- dicidade em que os pacientes precisam respondê-los foram definidos por médicos especialistas em pneumologia da Clínica do Pulmão de Passo Fundo/RS. O software também permite que especialistas adicionem recomendações de boas práticas para a autogestão da asma e configurem para qual perfil de paciente cada recomenda- ção deve ser apresentada. Antes da Clínica CIEMP disponibilizar o software para os pacientes, é necessária a criação dessas recomendações, que podem ser imagens, vídeos, textos ou uma combinação desses.

OAJ Como vai funcionar esse monitoramento?

O paciente asmático terá um cadastro no sistema desenvolvido. Nesse software, ele irá responder questionários periodicamente. Um questionário deve ser respondido mensalmente e os outros dois trimestralmente. Após responder ao questionário, o sistema realiza a classificação desse paciente e começa a fornecer recomendações personalizadas de boas práticas que podem auxiliar na diminuição de crises de asma. Quando o paciente responde novamente os questionários, o software reclas- sifica esse paciente e fornece novas recomendações a partir do novo perfil identifi- cado. Além disso, o software também considera o período do ano para apresentar as recomendações, uma vez que algumas boas práticas são específicas para deter- minada estação do ano (por exemplo, o inverno). Também, já estamos trabalhando em uma segunda versão do software que irá considerar a previsão do tempo para definir qual recomendação será exibida.

OAJ Qual a importância desse projeto para os pacientes?

A asma é uma doença crônica que afeta cerca de 300 milhões de pessoas ao redor do mundo, dentre seus principais sintomas destacam-se a dificuldade na respiração e as chamadas crises asmáticas. Essa doença pode se agravar dependendo de alguns fatores, como o acúmulo de pó no ambiente, o nível de poluição, e a umidade relativa do ar, dentre outros. Para minimizar os sintomas da asma, existem alguns tratamen- tos médicos. Outro fator relevante na melhora da qualidade de vida dos pacientes asmáticos é a autogestão da asma, ou seja, o paciente precisa conhecer e adotar de- terminadas práticas. De acordo com um estudo publicado recentemente na revista portuguesa de imunoalergologia os pacientes asmáticos precisam estar capacitados “para reconhecer precocemente os sinais de agudização e para desenvolver competências para melhor gerirem a sua doença e travar a sua deterioração”. Nesse contexto, o projeto visa desenvolver um sistema que auxilia o paciente na autogestão da asma por meio de recomendações personalizadas, ou seja, específicas para o perfil de cada paciente. Para a identificação desse perfil, além de analisar o histórico de crises, o sistema também avalia o grau de ansiedade e depressão do paciente.

OAJ Qual o papel da Ciência da Computação nesse projeto?

O papel do Curso de Ciência da Computação do IFRS – Campus Ibirubá nesse projeto é capacitar os alunos para realizar as seguintes ações: 1) Identificar os requisitos necessários. Os alunos aprendem no curso técnicas de Engenharia de Software, como entrevista, observação e análise de documentos; 2) Documentar os requisitos. O curso aborda formas de documentar os requisitos que são utilizadas internacionalmente, tais como diagramas de Casos de Uso e de Classes; 3) Definir as tecnologias mais apropriadas para solucionar o problema em questão. No curso, os alunos se apropriam de tecnologias que contribuem para um desenvolvimento ágil, como, por exemplo, a ferramenta GIT que propicia o controle de versões; 4) Implementar o software usando uma Linguagem de Programação, um Sistema de Gerenciamento de Banco de Dados e frameworks. A matriz curricular do curso de Ciência da Computação do IFRS – Campus Ibirubá contempla diferentes paradigmas de programação e de armazenamento de dados. Além disso, são ofertadas oficinas sobre os frameworks mais utilizados no mundo do trabalho; 5) Avaliar o software desenvolvido em termos de eficácia e usabilidade. Os alunos do curso são capacitados para realizar testes no software que analisem tanto as funcionalidades quanto a interface de modo que o software produzido forneça os resultados esperados e também propicie uma boa experiência de uso; 6)Implantar o software. O curso também aborda questões relacionadas a Sistemas Operacionais, Redes de Computadores e Segurança da Informação, as quais são necessárias para a disponibilização de um software na Web.

OAJ Existe uma parceria com alguma empresa da área da saúde?

O projeto está sendo desenvolvido em parceria com a Clínica CIEMP (Clínica Integrada de Especialidades Médicas e Psicológicas), situada na Rua Dumoncel Filho, 1006, sala 101, centro – Ibirubá/RS. A CIEMP realiza o pagamento de uma bolsa para um aluno do Curso de Ciência da Computação e também disponibiliza horas do Dr. Enrique Pokulat para colaborar com o projeto. Além disso, fizemos uma visita na Clínica do Pulmão em Passo Fundo por intermédio da Clínica CIEMP. Nessa visita, conversamos com dois especialistas em pneumologia que nos orientaram sobre quais questionários aplicar e a periodicidade de aplicação. Destaca-se que esse é um sistema para apoiar os médicos, não para substituir, uma vez que todas as recomendações serão definidas e configuradas por médicos. Além disso, o sistema não indicará nenhum tratamento, apenas auxiliará o paciente a seguir o tratamento indicado pelo médico de forma adequada.

OAJ O contingenciamento deste ano afetou o projeto?

O contingenciamento deste ano não afetou diretamente este projeto por dois motivos principais. Primeiro, o IFRS fez um esforço para manter as bolsas de pesquisa durante todo o período. Segundo, o projeto não necessitava de aquisições de equipamentos ou materiais para seu andamento. No entanto, outros projetos de pesquisa do Campus foram impactados porque demandavam a aquisição de materiais e essa aquisição atrasou vários meses em função do contingenciamento. Por exemplo, um projeto de pesquisa que demandava um reagente para realizar análises de solos.

OAJ Quem são os membros?

Os membros do projeto, em ordem alfabética, são: Andressa Lovatto Soares – aluna do Curso de Ciência da Computação do IFRS – Campus Ibirubá e bolsista de pesquisa responsável por implementar as recomendações a partir da previsão do tempo, que será extraída da Web. Edimar Manica – docente do Curso de Ciência da Computação do IFRS – Campus Ibirubá e coordenador do projeto. Enrique Pokulat – médico da Clínica CIEMP, responsável por fornecer as informações técnicas da área médica. Lisiane Reips – aluna do Curso de Ciência da Computação do IFRS – Campus Ibirubá e bolsista responsável por implementar os cadastros e relatórios do sistema. Rafael Muller Gruhn – aluno do Curso de Ciência da Computação do IFRS – Campus Ibirubá e bolsista de pesquisa responsável por implementar a aplicação dos questionários, a classificação dos pacientes e a definição das recomendações.

Continue Lendo

Colunistas

Educação Financeira: Conhecimento e informações para mudanças no comportamento das crianças

Postado

em

A escola e a família têm o dever de zelar, acompanhar e principalmente formar nas crianças competências e habilidades, para que estas se tornem adultos capazes de realizarem suas obrigações com responsabilidade. Segundo o autor do livro Desenvolver Competências ou Ensinar Saberes? Philippe Perrenoud, (sociólogo e Antropólogo suíço), em um dos capítulos deste livro, discorre sobre as disciplinas ausentes do ensino obrigatório. Uma delas seria Ciências Econômicas. O autor faz o seguinte questionamento: “O que faz a escola para ajudar as pessoas a compreenderem a economia que rege as suas vidas? ”. Queremos chamar atenção sobre a Educação Financeira. Ouvimos falar diariamente que as pessoas gastam em alguns casos mais do que deviam. Enquanto alunas do curso de Matemática do IFRS Campus Ibirubá, participamos de um projeto de Extensão, em 2018, chamado Educação Financeira: uma proposta de reflexão, organização e ação para alunos do Ensino Fundamental. Neste projeto desenvolvemos atividades com as crianças de 3º e 5º anos na Escola Estadual de Ensino Fundamental Edson Quintana, do município de Ibirubá. Algumas famílias não conseguem auxiliar satisfatoriamente seus filhos, com relação a esse assunto, pois as vezes não possuem o controle de suas contas. É dever da escola proporcionar esta formação.

As crianças precisam receber orientações no sentido de que: não podemos comprar tudo o que queremos ou desejamos, que é necessário ter um planejamento quando se quer comprar determinadas coisas, pois gastar demais pode vir a comprometer nosso orçamento. Esse projeto tem por objetivo levar sugestões sobre organização financeira através de atividades como: leitura de textos, fábulas infantis, jogos, vídeos, questionamentos orais, entrevistas realizadas na comunidade, sugestão de uma planilha de controle dos gastos do mês, encaminhada para as famílias, pesquisa de preço no comércio, foram algumas das ações propostas. Outra atividade apresentada foi lembra-las de que existem brincadeiras que podem ser realizadas, sem precisar de dinheiro, pois entendemos que momentos de lazer e diversão, são extremamente saudáveis e contribuem para termos qualidade de vida, neste momento elas puderam também questionar membros da sua família e trazer sugestões. Levamos as crianças a uma agência bancária, onde puderam receber informações sobre produtos que um banco oferece, e o significado e utilidade destes produtos. Os alunos demonstraram grande interesse em realizar as atividades propostas, tirando dúvidas e colaborando com exemplos que trazem de casa. Aprender a administrar tanto o dinheiro quanto suas escolhas, pelo conhecimento, desenvolve virtudes e valores para a vida adulta. Gastar impulsivamente, sem necessidade, é uma consequência de comprar movido por desejos.

Quando evitamos comprar algo desnecessário, podemos economizar para investir em projetos maiores, como por exemplo, fazer uma viagem, realizar um curso, investir em um negócio, comprar uma casa, ter uma condição de vida melhor. Dessa maneira, a criança descobre que pensar e verificar se realmente aquilo que comprar é necessário ou desejável. A comunidade escolar considerou este trabalho muito positivo na formação dos alunos.

Alunas: Ilda Graziela Vogel, Cristiane Rebouças de Lara, Isadora Fredrich. Coordenadora : Professora Me.Marsoé Cristina Dahlke / IFRS-Campus Ibirubá

Continue Lendo

Notícias Gerais

Torneio interescolar movimentou escolas

Postado

em

Dez escolas de Ibirubá e Quinze de Novembro participaram do torneio interescolar ocorrido na terça-feira, 06, no Ginásio Assis de Souza Roque no bairro Planalto em Ibirubá. O promotor do torneio, Alexandro Abreu, conversou com nossa reportagem.

Acompanhe no player

Continue Lendo

Notícias Gerais

Posto Jacaré vai abrir filial em Quinze de Novembro

Postado

em

Um dos postos de combustível mais famosos da região do Alto Jacuí está expandindo sua área de atuação. Inaugurado a quase dois anos, o Posto Jacaré chegou para ser mais que uma abastecedora de gasolina e diesel. “Queríamos trazer um ambiente legal para para nossos clientes, isso era um pedido deles”, lembrou Robson Paloschi, um dos sócios-proprietários.

Ao lado de Gabriel Sander e Rizzardi, o engenheiro agrônomo apostou em bom atendimento, preço justo e atrações que vão além de apenas encher o tanque para tornar o antigo posto Ipiranga da General Osório em um dos locais mais frequentados da região.

Local remodelado na saída para o bairro Hermany

O novo desafio agora, segundo Paloschi, é repetir esse sucesso a 11km de distância da matriz. A partir de 01 de dezembro o Posto Jacaré abre suas portas em Quinze de Novembro, a capital do turismo regional.

O local é bastante conhecido, atualmente já existe um posto nele. A localização, aliás, é uma rota bastante movimentada principalmente no verão. “Inicialmente vamos fazer melhorias na conveniência, iluminação e construir um deck para atender os clientes” antecipou Robson, em entrevista exclusiva à Rádio Cidade FM.

A bandeira da distrubuidora ainda não foi definida, a tendência é que siga a mesma de Ibirubá, marca Charrua. O que já está definido é o padrão de atendimento, que vai ser o mesmo praticado na matriz.

Geração própria de energia renovável

Produzir a energia que consome, sem agredir o meio ambiente. Meta concluída com sucesso pelo Posto Jacaré, após a instalação de placas fotovoltáicas no telhado do estabelecimento. Segundo o gerente Gabriel Sander, o Jaca, esse é um dos únicos postos do noroeste gaúcho a se preocupar com a sustentabilidade. Após a instalação da energia solar, o Posto Jacaré passou a produzir a própria energia que consome de forma limpa, renovável e sem agredir o meio ambiente.

Bandeira Charrua faz controle quinzenal de qualidade

Fotos: Arquivo

Da Redação de Jornalismo da Rádio Cidade FM

Texto: Andrei Grave

Continue Lendo

Notícias Gerais

Assaltantes pedem transmissão ao vivo para se entregar a polícia

Postado

em

Em uma manhã tensa na região do Alto Jacuí, após mais um posto de combustível ser alvo de assalto em Ibirubá, a Brigada Militar de pelo menos três municípios partiu a caça de um Gol branco suspeito de ter sido usado no crime. A quadrilha fugiu pelo interior de Ibirubá, acessou Quinze de Novembro e seguiu pelo interior sentido Bela Vista/ Selbach. As viaturas seguiram no encalço do veículo, e houve troca de tiros. Após abandonar o carro, já em Alto Alegre, os meliantes se separaram. Três invadiram uma propriedade particular e fizeram reféns. A Brigada cercou a residência e houve momentos de muita tensão. O repórter Jonatan Palla, do portal ClicEspumoso, estava presente e iniciou uma transmissão ao vivo pelo Facebook, segundo exigência dos bandidos, para garantir a integridade física dos mesmos. Outro componente do bando foi ferido e atendido no Hospital.
Policiais de folga ajudaram na caça aos assaltantes.
Os quatro deliquentes foram presos, e os reféns liberados sem ferimentos.

Continue Lendo

Notícias Gerais

Dr. Etiani fala sobre a saúde do homem

Postado

em

Novembro Azul é um movimento mundial que acontece durante o mês de novembro para reforçar a importância da prevenção e do diagnóstico precoce do câncer de próstata. E por isso, o assunto dessa semana do OAJ ENTREVISTA, foi com o médico Clínico Geral do Município de Ibirubá Etiani Augusto Messerschmidt, ele alerta sobre a prevenção em saúde para o homem. Segundo ele a saúde deve ser integral, e não apenas no mês de novembro: “Procurem seu médico de confiança para uma avaliação, conversa e esclarecimento de dúvidas, prevenir é o caminho para uma vida saudável. Lembrando que durante o mês de novembro as unidades da Saúde de Ibirubá estarão abertas das 18h às 21hs, nas terças e quintas para atendimento preventivo dos homens que não conseguem ir em outros horários devido ao trabalho.”

OAJ: O novembro azul é dedicado a conscientização da saúde do homem, em especial, para a prevenção do câncer de próstata. Qual é a prevenção adequada para esse tipo de câncer? 

O novembro azul até pouco tempo era usado usado para prevenção de câncer de próstata , porém conforme normativa do ministério da saúde o foco é na saúde integral do homem  prevenindo doenças cardiovasculares , prevenção de acidentes e violência e facilitando o acesso do mesmo ao sistema de saúde , como a adoção de abertura de unidades de saúde  horários alternativos . Com relação ao câncer de próstata a prevenção envolve uma alimentação saudável , prática de atividades físicas regularmente , controle do peso , evitar consumo de álcool e tabagismo .

OAJ: Qual a incidência e os fatores de risco?

No ano de 2018 foram quase 70 mil novos casos no país , sendo a segunda causa de morte por câncer em homens no brasil . Os principais fatores de risco são a idade (aumenta com o avançar da idade), histórico familiar da doença (pai, irmãos, avô), sobrepeso e obesidade .

OAJ:  Porque os homens têm mais resistência em ir ao médico?

A resistência do homem de procurar o médico está na nossa cultura um pouco machista e associada a mitos populares e nos dias de hoje temos que nos preocupar com a desinformação que as mídias sociais fazem (fake news).

OAJ: Há uma tabu em relação ao exame da próstata, como acontece os exames para detecção e o exame de sangue substitui o toque retal?

A investigação do câncer de próstata se faz com a coleta do PSA associado ao exame de toque retal, sendo que a confirmação será feita com a biópsia realizada em homens que apresentam alteração nos exames acima além de sinais e sintomas da doença. O ministério da saúde e a OMS não recomendam mais o rastreamento com uso dos exames acima na população de homens em geral , devendo os mesmos serem avaliados individualmente por seu médico.

OAJ É de nossa cultura as meninas irem bem cedo ao ginecologista, para educação sexual e acompanhamento, nesse sentido, é realizado o acompanhamento com adolescentes meninos? Há uma procura?

Infelizmente os meninos não procuram o médico com frequência para uma educação sexual, isso leva a uma incidência aumentada de ISTs( infecções sexualmente transmissíveis ), essa baixa procura se deve a nossa cultura como referi anteriormente.

Continue Lendo

Notícias Gerais

Depois do Outubro Rosa vem o Novembro Azul

Postado

em

Novamente a comunidade ibirubense, em especial a masculina, está sendo convidada a refletir e realizar pequenos cuidados que previnem doenças e proporcionam vinda longa com mais qualidade de vida. Estamos no Novembro Azul.

A Secretaria Municipal de Saúde de Ibirubá estará trabalhando simbolicamente com a cor azul durante todo o mês de novembro. A Campanha é um alerta para os homens cuidarem mais da sua saúde e traz a reflexão “Não se cale, não se omita, procure ajuda! Prevenção é a melhor solução! No fim das contas, os homens querem apenas ser ‘bons, o suficiente’”.

As entidades participantes do Outubro Rosa estão apoiando as iniciativas: Clínica Data Med, Emater/RS-Ascar, Hospital da Comunidade Annes Dias, Igreja Assembleia de Deus, Liga Feminina de Combate ao Câncer, Secretaria de Assistência Social, Sobeni, Unimed Alto Jacuí/RS e Vence Tudo.

Acompanhe e participe da programação:

  • 12/11 – Palestra “Saúde Mental no Homem: Prevenção aos Maus Hábitos” com o psiquiatra Dr. Bruno Guidolin, às 18 horas, na Câmara de Vereadores
  • 14/11 – Palestra sobre a Saúde do Homem para os beneficiários do Programa Bolsa Família, às 14 horas, na sala de reuniões do CRAS
  • Terças e quintas-feiras – Realização de consultas médicas, odontológicas e nutricionais, e de Enfermagem com testes rápidos e vacinas, das 18 às 21 horas, nas Unidades de Saúde PAM (Centro), ESFs Floresta, Hermany e Jardim (exceção do dia 12/11)
  • Cronograma da Nutricionista – terças-feiras no PAM e quintas-feiras nos dias 07 (Floresta), 14 (Hermany), 21 (Jardim) e 28 (Floresta)
  • Cronograma Odontológico – terças-feiras nos dias 05 (Floresta), 19 (Hermany), 16 (Jardim), e quintas-feiras no PAM
Continue Lendo

Notícias Gerais

Rede Municipal de Ensino: rematrículas e matrículas para 2020

Postado

em

Para a Educação Infantil (Emeis e Creches), as rematrículas serão de 04 a 08/11/2019. Para aquelas famílias que desejam transferência entre as creches ou Emeis, o período será de 11 a 14/11/2019. Para as matrículas novas, o período será de 18 a 22/11/2019. Para o Ensino Fundamental (Regular e EJA), o período para as rematrículas será de 04 a 08/11/2019. E para as matrículas novas e inscrições, de 11 a 22/11/2019.

O Município de Ibirubá está fazendo uma chamada pública aos pais ou responsáveis legais por crianças da Educação Infantil e do Ensino Fundamental Regular de nove anos, e jovens e adultos que não estiverem cursando o Ensino Fundamental obrigatório (EJA) para o período de rematrículas e matrículas novas para o ano letivo 2020 na Rede Municipal de Ensino, observando-se a data de 31 de março de 2020 como referência para a idade de corte.

O Edital de Chamada Pública Nº 003/2019 está publicado no site da Prefeitura Municipal (publicações oficiais/chamamento público) e junto aos murais das próprias instituições de ensino municipais.

A Secretaria julga importante esclarecer aos pais ou responsáveis legais que é imprescindível que se dirijam às respectivas escolas ou creches, nesse período, para confirmarem a vaga e para atualizarem os dados cadastrais. A rematrícula dentro do período é a garantia de que a criança está com a sua vaga assegurada”, explicou a coordenadora de Educação, professora Lia Mara Rodrigues.

Nas escolas aonde a demanda for maior que a oferta de vagas, haverá o período de inscrições, ficando o aluno inscrito aguardando a disponibilidade de vaga, que poderá ocorrer após o término do ano letivo de 2019. “Entretanto, orientamos que, igualmente, a matrícula seja feita na instituição que tiver vagas disponíveis para que o aluno não fique sem se matricular, caso não se confirme a vaga de sua inscrição”, alertou Lia Mara.

“Pelo número elevado que a Rede Municipal tem, os pais poderão até se deparar com as matrículas do Jardim, por exemplo, já contempladas pelas crianças que estão passando do nível Maternal II para o Jardim. Sabemos também da preferência dos pais pelas Escolas de Educação Infantil municipais pois o Jardim é em turno integral, enquanto que nas Escolas de Ensino Fundamental é em um turno somente. Estamos avaliando todos os casos, pois a nossa preocupação é atender o nosso aluno da melhor forma possível”, destacou o secretário da pasta, Henrique Hentges.

Um diferencial deste ano é a apresentação do Atestado de Vacinação, para o qual é necessário procurar as salas de vacinas do Posto de Saúde ou dos ESFs do bairro em que reside a família e levar a Carteira de Vacinação da criança ou do adolescente. O atestado será fornecido pela enfermeira responsável ou profissional técnico de Enfermagem vacinador e o documento deverá ser apresentado à Escola, por ocasião da matrícula ou rematrícula.

As demais Redes de Ensino de Ibirubá, Estadual, Federal, Privada e Filantrópica, têm seus próprios períodos de rematrículas e matrículas.

Mais informações junto às próprias instituições ou à Secretaria Municipal de Educação, à Rua Firmino de Paula, 1.023 – telefone 3324-8540, no horário das 7h30min às 11h30min e das 13h30min às 17h30min, de segundas às sextas-feiras.

Magda Pimentel Assessoria de Imprensa imprensa@ibiruba.rs.gov.br

Continue Lendo

Notícias Gerais

Famílias optam por porcelana para evitar vandalismo em túmulos

Postado

em

Roubos e danos provocados em túmulos durante os últimos meses tem mudado um antigo costume nos cemitérios da região. Assustados com o prejuízo causado por larápios, familiares de pessoas sepultadas estão optando pela identificação de nome e foto em porcelana, deixando de lado os tradicionais letreiros e molduras em metal. Segundo Michele Kohl Grave, gerente da Marmoraria e Funerária MPK, em 2019 aumentou o interesse por materiais alternativos, como a porcelana impressa em fornos de alta caloria. Outro padrão que vem aos poucos sendo mudado é a colocação de imagens, como o Corpo de Cristo, em adornos de sepulturas. Esse tipo de enfeite chama a atenção dos vândalos, e se torna isca fácil para furto. No lugar estão sendo confeccionadas peças de granito como cruzes e placas. Diferente de anos anteriores, a demanda por serviços não acumulou na véspera de Finados, afirma Emílio Maurer Kohl, sócio proprietário da MPK. ‘’Tivemos uma procura constante durante todo o ano, o que possibilitou atender a quase todos os serviços até o feriado de Finados’’, pontuou.

Situação dos Cemitérios

Católico registra alta ocupação: O maior cemitério de Ibirubá vai enfrentar nova transformação em pouco tempo. Entregue em 2013, a nova área está com 70% de sua capacidade ocupada. O espaço fica aos fundos da parte antiga, e registra taxa de ocupação de seis terrenos por mês em média. Cada espaço custa um salário mínimo, que deve ser pago junto a secretaria da Paróquia Nossa Senhora de Lourdes. Conversamos com alguns familiares que faziam limpeza nos túmulos. A principal reclamação foi a falta de calçadas no cemitério antigo, em frente ao gavetário das crianças. Quando chove, a água leva terra por cima dos túmulos, deixando-os sujos. Outro ponto considerado ruim é a segurança e iluminação do local a noite. Uma câmera de monitoramento auxilia a Brigada Militar na vigilância em frente ao cemitério. Também registramos familiares elogiando a limpeza e conservação do local. O Padre Miguel Rosati revelou que o cemitério Católico vai ser ampliado de forma vertical quando terminarem os espaços para construção de carneiras. A edificação deve ser construída na mesma área onde atualmente são feitos os novos túmulos, com orientação norte/sul, encostada no muro. A iluminação também será reforçada, com a instalação de 16 postes com luminárias oriundas da sobra da Prefeitura, referente a substituição por led’s. Rosati comenta que a paróquia fez um grande investimento no escoamento e canalização de água do cemitério, em torno de R$ 100 mil reais, porém são obras que não aparecem.

Evangélico apareceu em rede nacional: ‘’O cemitério Protestante guarda mistérios até hoje não esclarecidos’’ disse o repórter Álvaro Pereira Junior, da Rede Globo. Tema de reportagem no Fantástico, o cemitério Evangélico viu aumentar o fluxo de pessoas interessadas em conhecer o túmulo do médico Frederico Braun e do jovem que aparece vestindo o uniforme da milícia SS na foto da lápide. Segundo o presidente da Comunidade Evangélica, Rudi Schweig, são mistérios que aumentam a curiosidade da população sobre o passado de Ibirubá. ‘’Todos os atos de vandalismo foram devidamente registrados na Delegacia’’, lembrou Rudi. O espaço físico do cemitério é suficiente para a demanda de 100 anos, segundo o presidente. Responsável pela zeladoria, Olivio Kempf mantém o local limpo e organizado diariamente. Há iluminação externa e interna e uma câmera de monitoramento ligada a sala de operações da Brigada Militar acompanha em tempo real a movimentação nas redondezas.

Luterano: está com situação tranquila Ari Vorpagel, pastor da Igreja Luterana Emanuel de Ibirubá, comentou que os cemitérios luteranos de Arroio Grande (Selbach), Egônio Wahys e o da cidade estão com a situação tranquila em relação a espaço físico. Ele revela que tinha suspeitos dos furtos de objetos de metal, mas não conseguiu reunir provas. Em Santa Clara do Ingaí, onde reside o pastor Ederli Eberle, também não há problemas estruturais e o espaço é bem conservado. Municipal vai ganhar gavetário Após receber um novo acesso com rampa de concreto, o cemitério Municipal, gerido pela Secretaria de Obras da Prefeitura, vai receber um gavetário de última geração, obedecendo às normas ambientais vigentes. A ideia do Prefeito Abel Grave foi colocada para uma comissão que vai buscar os modelos construtivos visando atender a demanda de sepultamentos no local. Não há cobrança de taxa de sepultamento ou terreno, familiares pagam apenas o serviço da funerária quando utilizam o local. ‘’Apenas pedimos para as famílias não jogarem o lixo nos fundos do terreno, pois obstrui a passagem de água’’, lembrou o Secretário de Obras Vande.

No interior Os cemitérios do interior são mantidos pelas comunidades, e cada uma gerência de acordo com a própria diretoria. Os maiores estão localizados em Alfredo Brenner e Boa Vista. Ao todo, o município tem mais de 14 cemitérios no interior. A maioria está bem zelada, e recebe investimentos conforme a disponibilidade de dinheiro em caixa. Túmulo do médico Frederico Braun que se encontra na entrada do cemitério Protestante e que envolve grande mistério. Em 2018 mais de 100 túmulos são atacados no Cemitério Católico, e por esse motivo a comunidade tomou novas atitudes em relação a ocupação dos terrenos e preservação dos mesmos.

Fortaleza Dos Valos: ”Estamos com nosso cemitério municipal praticamente superlotado, e estamos em estudo para enviar legislação regulamentado o uso, pois hoje não há uma lei específica para isso. Também conseguimos doação da Mitra de um terreno no qual será feita a ampliação do cemitério que antigamente era cuidado pela Mitra, e há uns 30 anos repassado à Prefeitura para realização dos cuidados. E por querermos fazer essa ampliação e cercamento para posterior licença é que estamos estudando essa proposta de lei municipal. Acredito que até a próxima semana possamos enviar o projeto de Lei, do qual existe uma comissão fazendo esse es- tudo, composta pelo Gabinete da Prefeita, Jurídico, Secretaria de Administração e Departamento de Urbanismo,” informou Márcia Rossato Fredi.

Reportagem Andrei Grave -Departamento de Jornalismo O Alto Jacuí/Rádio Cidade FM

Continue Lendo

Notícias Gerais

“Evangélicos e luteranos não celebram Halloween” alerta pastor

Postado

em

Muitos cristãos celebram o Halloween ao redor do mundo dia 31 de outubro. O “Dia das Bruxas” tem crescido em popularidade no Brasil, já fazendo parte do calendário de escolas em diferentes partes do país.

O Pastor da Igreja Evangélica de Confissão Luterana (IECLB) de Ibirubá falou, em entrevista à rádio Cidade FM, sobre o posicionamento da entidade a respeito do Haloween, uma tradição americana que aos poucos foi sendo implementada no Brasil.

“Não estou condenando ninguém. Evangélicos e luteranos não celebram Halloween. A palavra de Deus diz que nossos em lares não devemos ter fantasmas, bruxas ou qualquer coisa reverenciando satanás. Nosso Deus é o Deus vivo, da eternidade. Que não se cultue isso por que isto está sim relacionado a um culto satânico, é perigoso brincar com uma coisa dessas. Nós como evangélicos de confissão luterana deveríamos pensar muito bem nisso, em compactuar em algo dessa natureza”.

Ouça:

trecho da entrevista pastor ademir trentini
Continue Lendo

Veja Isso