Fase de enchimento de grãos exige atenção redobrada no clima

As condições meteorológicas estão entre os principais fatores que influenciam no sucesso de uma safra. Os elementos como a temperatura e a umidade impactam diretamente no desenvolvimento da planta. Com isso, ao mesmo tempo em que as chuvas das últimas semanas no Rio Grande do Sul contribuem para o bom desenvolvimento da soja – especialmente na fase de enchimento de grãos –, o excesso destas faz com que se torne ainda mais crucial o controle de doenças, principalmente, para manutenção da área foliar da cultura – responsável pelo enchimento dos grãos. O alerta é da engenheira-agrônoma e doutora em Produção Vegetal Joana Graciela Hanauer, da Emater/RS-Ascar. “O excesso de chuva pode fazer o agricultor perder os insumos e/ou anular o efeito dos defensivos aplicados. A atenção nas condições meteorológicas é fundamental, pois alguns defensivos precisam de certo tempo para que ocorra a absorção pelas plantas. Com a precipitação, os produtos serão perdidos e não atingirão o alvo. Esse tempo entre a aplicação e a próxima chuva é variável entre os defensivos, precisamos verificar as orientações do fabricante. Aplicações após a chuva também precisam de atenção para não ocorrer escorrimento de produto”,esclarece a agrônoma.

Conforme Joana, para amenizar essa situação, o produtor precisa observar alguns aspectos importantes, tais como monitorar as condições atmosféricas pelo acompanhamento da previsão do tempo ou adotar o uso de plataformas que enviam alertas sobre o clima e presença de doenças. “Em momentos de alta umidade [75% a 80%] e temperatura ótima [18°C a 25°C], o aparecimento de ferrugem asiática na soja se torna a maior preocupação. O agricultor deve ficar atento ao monitoramento não só das suas áreas, mas do ambiente adjacente com a verificação da presença de focos da doença na região pelo Consórcio Antiferrugem”, orienta Joana. Outras doenças citadas por Joana e que podem causar perdas de produtividade significativas são as manchas foliares, a exemplo da mancha-alvo, mancha olho de rã, crescimento foliar ou mancha púrpura da semente. 

Ocorrência de pragas

A agrônoma reforça que quando ocorrem chuvas leves, seguidas por períodos quentes e secos, as pragas encontram as condições ideais para multiplicação. Porém, quando as chuvas são mais intensas e frequentes, muitas lagartas jovens, por exemplo, sofrem o controle natural pela ação da chuva e da incidência dos inimigos naturais, o que mantém as populações controladas abaixo do nível de dano econômico.

Autor: Rádio Cidade Ibirubá

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *